terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

A Índia ensina (?)

Por Mik


    Poucos sabem, mas para passar o tempo voltei a estudar francês.
    Sim... Tem sido uma boa experiência estudar francês com indianos, mas hoje quero contar sobre outro assunto, sobre o que aconteceu em uma das as aulas de francês... 

    Semana passada um dos temas da aula foi: "O estrangeiro e suas dificuldades." 
   A professora contou sobre as dificuldades que teve no período em que morou na França. Falou sobre sua adaptação a culinária, sobre o preconceito que sentiu por ela ser indiana, sobre sua dificuldade em fazer amigos franceses, e outras tantas dificuldades, que ela em momento algum considerou ser choque cultural.

   Quando ela terminou de contar sua experiência, olhou pra mim e disse:

- Temos aqui a Mik!! A Mik é brasileira, então ela vai nos contar sobre suas dificuldades aqui na Índia.

   Na hora pensei:

- Falo a verdade? 
  
    Respondi:

- A minha grande dificuldade, além da língua: Hindi, é que não sou indiana. (nesse momento todos fizeram cara de... "é claro, se você é estrangeira, é porque não é indiana...)

   Mas continuei... peguei meu estojo e dei o seguinte exemplo...

-  Por eu ser Branca ( leia-se White/Branca como estrangeira, pois é assim que os indianos chamam a todos os estrangeiros, sejam eles brancos, azuis, amarelos, vermelhos, pretos, rosas, laranjas...) e não falar Hindi, esse estojo que para você custaria 200 rupias (7 reais), para mim custa 2000 rupias (70 reais). Se eu quiser comprar qualquer coisa que não esteja com o preço, olham para mim e me cobram cem vezes mais caro!! Mesmo quando vou comprar frutas (as melhores e mais saborosas são vendidas em barraquinhas nas ruas) eles me cobram muito mais caro do que o preço real. Hoje tenho ideia do preço de uma melancia, de uma maçã, e se percebo que estão tentando me roubar, desisto e tento comprar em outra barraca.

   Nesse momento todos fizeram comentários. Todos estavam chocados com o exemplo que eu dei. 
   Mesmo com campanhas, nas tvs e jornais, contra corrupção, que aqui é mil vezes maior que no Brasil, os indianos se dizem chocados quando falamos sobre esse assunto ou algo que os remeta a esse assunto. Enfim, também não gostamos quando falam mal do nosso Brasil... mas o melhor - mesmo - veio depois, quando a professora perguntou (com cara de espanto):

- Mas você não tem uma empregada que possa comprar as frutas para você?!?! Por que você é quem faz as compras?!?! (importante entender que para os indianos, pessoas que moram no bairro que eu moro são consideradas ricas, e - culturalmente - por serem ricas não fazem suas compras, mas - sim - mandam fazer.)

    Respondi:

- Sim, tenho uma pessoa que me ajuda em casa, mas prefiro eu mesma fazer minhas compras. Gosto de escolher o que vou comprar para comer.

  Então ela me veio com a seguinte resposta:

- Ah sim!! Você tem uma empregada (suspiro de despreocupação)... Melhor você mandar a sua empregada fazer as compras. Porque nós sabemos que ela também irá dizer que o preço da fruta é mais caro do que ela comprou, mas pelo menos ela te roubará menos do que você está acostumada a ser roubada.

    Agora quem estava em choque era eu. Então você, indiano, fica chocado quando eu digo que no seu País já me acostumei a ter que barganhar até conseguir o preço que realmente vale para pagar numa melancia, quando na verdade você sabe que se eu não barganhar certamente pagarei 100 vezes o valor dela?! Mas eu tenho que achar normal minha ajudante ficar com algum dinheiro porque é normal eles levarem algum!?!

    É... a Índia e suas "dificuldades". Por que será mesmo que Cabral achou que estava chegando a Índia quando descobriu o Brasil? Seria ele algum tipo de Nostradamus?! Sim... Sem muitas comparações, porque de santos não temos nada...

   Depois me perguntam... "Por que você não aceitou a ajuda de moça que queria colocar sua meia?!"

    Porque na Índia nada é de graça (?)!!



Ps.: Para a professora? Falei meia verdade, a outra metade achei melhor omitir.













9 comentários:

  1. Que que wilson...
    To de cara com o relato da professora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse é um dos mais leves...
      Vai entender?!

      Excluir
  2. Mais deve ter dado vontade de falar a verdade inteira, mininu... rsrsrs!!! Aff... quer dizer que você ser meio roubada, ou roubada por inteiro, tem uma grande diferença, né?!? (Minha cara de espanto O.o!) Que coisa gnt! O melhor foi a professora tentando explicar "a diferença"... PÁRATUDO!!! =(
    MUITA LUZ, PACIÊÊÊÊNCIA E SABEDORIA PRÁ VOCÊS!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É nega, só na paciência para aprender a lidar... rsrs

      Excluir
  3. Nega, estou surpresa com toda a situação. É incrível como funcionam as coisas para eles. Um horror ser roubada pelas pessoas das bancas de frutas, mas tudo bem, se for a sua empregada. Afinal, ela trabalha para você e lhe roubará menos que o cara da banquinha....
    Deve ser muito foda ter que fazer as coisas, compras, contratar serviços e tudo, e saber que está sendo passado para trás.
    Que vivência antropológica essa de vocês!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fácil mesmo não tem sido... mas ou nos adaptamos ou enlouquecemos... rsrs
      E adaptar-se não significa aceitar, mas sim (tentar) aprender a lidar.
      #vaivendo

      Excluir
    2. Isso mesmo, Mik! O fato de aprendermos a lidar com este tipo de situação não quer dizer que a aceitemos para nossa vida. Acho que talvez o que agrave um pouco a situação, para além de uma cultura extremamente diferente, é que nós somos abençoados por convivermos com as pessoas que temos ao nosso redor: conscientes, éticas, justas... Penso que isso não é a realidade de milhares de brasileiros, muito menos de indianos...

      Excluir
  4. Puxa vida, ter de explicar o que nos parece óbvio é tão desgastante. Nega, entendo perfeitamente seu sentimento de tristeza em relação à Índia, valores são valores e é muito difícil quando o tempo todo precisamos colocá-los em cheque.
    Claro que sua situação é bem mais complicada, porque não está em casa, se sente estrangeira e tal. Mas eu venho passando por isso constantemente, pois preciso me lembrar o tempo todo quais são os meus princípios para não entrar no fluxo...

    Força na peruca qua já já vocês estão aqui.

    Beijocas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Mila, super desgastante. Acho que a sensação de desamparo só amplifica o desgaste, mas o sentimento é o mesmo seja no Brasíl ou na Índia. A cada dia percebo as nossas similaridades com esse povo, mas existe algo que ainda não consigo aceitar... independente de lugar, não consigo aceitar suborno e malandragem como algo natural. Aqui eles entendem como algo quase que inato do indiano. O sistema de castas coíbe o pensamento: "Se eu batalhar, se eu estudar, se eu correr atrás poderei mudar meu futuro."
      Não temos sistema de castas no Brasil, é verdade, temos o preconceito de classes, algo bem diferente, mas que muitas vezes, também, coíbe o brasileiro de realizar algumas conquistas, assim acabando por agir na malandragem para conseguir o que deseja.
      Ainda não consigo comparar tanto o Brasil com a Índia, também por conta disso, porque a cultura e os costumes tornam os motivos diferentes, apesar da ação ser a mesma... Ocidente e o Oriente têm suas similaridades, mas sobre a igualdade ainda me questiono muito...

      Ps.: Amei você passando pelo nosso blog!!!

      Bjo com carinho!!

      Excluir